3 de jul de 2011

Velhos, bah!

Eu li esse post e lembrei de um dia em que eu estava num ônibus voltando do treino de handebol e tinha uma senhora querendo sentar no "banco alto". Isso foi lá pelo inicio dos anos 2000, quando andar naqueles ônibus enormes, com trocador lá atrás, ainda era lugar comum no Rio de Janeiro.

Eu, cheia de mochilas, bola h2 na mão, tênis... Só tinha cabelo molhado porque tinha nadado depois. Eu não sou do tipo que costuma oferecer lugares em conduções. E, se isso acontece até hoje, é porque eu deparei com essa senhora na rua:

Eu: A senhora deseja sentar aqui no meu lugar?
Ela: Obrigada, minha filha, mas tô vendo você tão cansada que tenho pena de você. O que me revolta é aquela ali, com criança, no banco alto, enquanto você me cede seu lugar.

A outra: Ele é doente!!

Eu (pasma): ...

Ela: Doente que pode sentar no seu colo para oferecer lugar a uma pobre velha.
A outra: Pobre é o caralho. Daqui ele não sai, daqui ninguém o tira.



Minha revolta: a petulância da velha. A mulher estava lá com seu filho que, se não me engano, era down, ela exige o lugar no banco "alto" preferencial e ainda xinga quando a mulher, com todo direito, se vê indignada. Isso, vendo que o banco preferencial é tanto de gestantes e idosos quanto de pessoas "especiais".

Desde então, foda-se, não dou lugar pra velho em ônibus. O mundo é muito mais que eles reclamando da vida.

3 comentários:

Karine disse...

Eu, depois de vir morar aqui, me dei conta do seguinte: a pessoa quando envelhece perde a noçao das coisas e faz o que der na telha e fodam-se os outros! Por isso é que eu tb nao sou nada educada com os idosos desse nível, como essa senhora.

Ma Albergarias disse...

Aqui no Rio, velhice é desculpa pra maá educação.
E ainda saem com o tradicinal: Eu tenho idade , me respeite... Porra, tem horas que não respondo por mim.

Engraçadinha disse...

Ah... a lei que protege os velhos está deixando todos eles sem vergonhas cheios de si.
Um coo.