1 de ago de 2011

thank you for nothing...

... é, porque sempre que eu mais preciso de você, você nunca está por perto. obrigada por isso, porque assim eu aprendi que não dependo de ninguém da familia pra nada. mas, de você, menos ainda.
não bastasse eu ser independente e você se sentir diminuído por isso, por eu ter um salario decente, um bom emprego... enquanto, na minha idade, eu duvido muito que isso acontecesse contigo.
obrigada por me fazer provar de uma das maiores dores da minha vida aos 23 anos. muito obrigada mesmo, de coração. e, claro, muito obrigada por me fazer guardar um segredo tão grande comigo, que me faz um mal tão gigante, que, se revelado, acabaria com tudo. inclusive com o que você hoje entende por estrutura familiar. obrigada por estar sempre presente para os outros, e nunca para sua familia, quando precisamos de você. sim, porque quando qualquer outra pessoa no-mun-do precisa, você está lá. seja caso de doença, morte, aniversarios, casamentos, bar mitzvah (s) e despedidas de solteiros dos amigos.

amigos? sim, só esses te satisfazem. e me irrita demais saber que pensam que eu sou da mesma laia que você. porque, sim, eu posso ser fechada e distante... com vocês. mas, quando eu preciso, com pessoas em quem eu confio, sai. sai a verdade, saem as lágrimas e saem todas as coisas que doem em mim de falar. mas, eu amo a minha familia. ou, o que restou dela.

existe um antes e depois de 2008. existe o meu amor por você antes e depois de 2008. assim como o respeito. se ao menos você se pronunciasse e alguma vez na minha vida, nestes 25 anos, eu tivesse escutado um mísero eu te amo vindo de você, se ao menos eu tivesse um olhar cúmplice... se ao menos você me ajudasse em um dos únicos momentos da minha vida em que sua ajuda era realmente importante pra mim e você simplesmente cagou.

vai ter o dia em que você vai precisar de mim. vai sim, Deus é bom.
por hora, eu durmo a base de calmante, por hora eu choro, por volta eu fico extremamente nervosa por conta de uma prova importante pra mim.

um dia, você vai envelhecer e vai precisar da minha expertise, da minha habilidade... e, na boa, a não ser que você se supere demais, você não vai ter. mesmo.

mágoa? não. é muito mais que isso.

3 comentários:

Ma Albergarias disse...

Será mesmo, Valerie?
Custo a crer.
E pelo que vc relata, vc é muito mais do que isto.
mais ainda a ponto de estender a mão.
Acha impossível?
Eu não.

Engraçadinha disse...

Não sei o q falar sobre isso. Nós não somos bichos programáveis, sobretudo diante da adversidade.

Karine disse...

Que forte, Val! Imaginei muita coisa bizarra ao ler seu relato. Não tô aqui pra te julgar, nem nada. Mas, acredito que a mágoa nos transforma em seres estranhos e capazes de fazer coisas somente por defesa própria. E não tiraria a tua razão caso assim fosse.

Te desejo sorte, Val. E força para superar a história que te marcou. A vida nos prega surpresas boas e desagradáveis. Pelo visto, a parte ruim ficou contigo. Mas, ela segue e ainda é uma delícia viver!!!

Mil beijos, gata!